Enviar Matéria por e-mail  mail   Versão para impressãoprint2 aumentar diminui
jp
HomeQuem somosNotas SintéticasAnuncieAssinaturaMercado SintéticoExpoplast Edições Anteriores


Dicas para o transformador” – Artigo nº4
paulo
Pedro Paulo Lanetzki*
Roteiros de fabricação mais econômicos e de melhores prazos na indústria de cosméticos

O presente caso foi embasado em uma indústria do segmento de cosméticos, a qual possui em seu parque industrial, dentre outros, máquinas e equipamentos de transformação de plásticos (injetoras e sopradoras), rotulagem, envase e fechamento, na ocasião em que teve a oportunidade de introduzir melhorias em diferentes áreas da empresa e, principalmente, no setor fabril, com o objetivo de tornar-se mais competitiva no ramo em que atua, melhorando a qualidade de seus produtos e o atendimento dos prazos assumidos com os seus clientes.
Durante o estudo constatou-se que a falta de um planejamento e programação da produção efetivamente funcional ocasionava uma série de problemas, os quais incluíam desde a preparação da carga de máquinas, passavam pela definição das necessidades e provisionamento dos materiais e confluíam na administração dos custos; estes impactavam diretamente na produtividade e lucratividade da empresa.

Definições
Objetivando obedecer e cumprir os prazos assumidos com os clientes, bem como melhorar os índices de produtividade e a lucratividade, fez-se necessário não só elaborar uma carga de máquinas realmente condizente com os recursos existentes, como também promover uma efetiva interação entre os vários setores fabris envolvidos, visto terem sido constatadas situações em que não ocorria continuidade na produção de um dado lote, durante todas as fases participantes do processo. Para que isto se fosse atingido, foram empregados procedimentos e metodologias que culminaram com a adoção e implantação da programação fina do chão de fábrica. Esta tem como ponto de partida o detalhamento do processo produtivo de cada um dos produtos envolvidos; neste estudo de caso, optou-se por analisar o processo envolvido no segmento de shampoo para cabelos, onde os frascos soprados para rotulagem, envase e fechamento são ilustrados na figura 1.


Fluxo do processo produtivo
O fluxo do processo envolvido em sua fabricação é ilustrado na figura 2; este permite detalhar todas as fases da produção (operações fabris), bem como as relações de dependências entre as operações antecessoras e sucessoras, os tipos de inter-relações (fim para início, início para início, etc.) e as relações de proporcionalidade entre as operações.


Alternativas de fabricação
A metodologia utilizada permite associar a cada operação fabril tantas máquinas quantas tecnicamente viáveis para sua execução existirem, com a possibilidade de, eventualmente, ocorrerem tempos de set-up, tempos de ciclos e valores de custos diferentes de máquina para máquina. A figura 3 mostra os tipos e a quantidade de máquinas disponíveis para cada uma das operações fabris (três sopradoras, duas rotuladoras, três envasadoras, duas injetoras e duas tampadoras).


Roteiros de fabricação
Uma vez definido o processo produtivo, bem como as alternativas de fabricação de cada uma das operações do processo, partiu-se então para identificação de todos os roteiros possíveis. A cada roteiro de fabricação investigou-se como estava compromissada cada uma das máquinas com cargas anteriores.
Determinaram-se então, por meio de cálculos, os prazos e custos envolvidos em cada um dos roteiros possíveis.
A figura 4 ilustra todos os roteiros possíveis de fabricação do artigo em estudo, que podem apresentar tempos de produção, términos previstos e custos completamente diferentes quando comparados entre si (no caso em estudo, têm-se um total de 72 roteiros).


Restrições para escolha dos roteiros
Uma vez simulados todos os roteiros de fabricação, opta-se por aquele que melhor atende à restrição estabelecida, a saber:

• o que proporciona o término mais rápido da operação (melhor prazo);
• o que apresenta menor custo de produção (mais econômico);
• o que propicia término mais rápido (melhor prazo) e menor custo de produção (mais econômico);
• o que apresenta o menor custo de produção (mais econômico) e término mais rápido (melhor prazo).

A figura 5 ilustra o roteiro considerado mais econômico (menor custo de produção), bem como aquele que proporcionava o melhor prazo.


Dinâmica
A metodologia envolve versatilidade na dinâmica de busca do melhor roteiro, visto que esta deve ser constante e ampla, pois a máquina que ontem era a melhor solução de execução de uma dada tarefa, face a tudo o que pode ter ocorrido no chão de fábrica, hoje pode não ser a melhor alternativa; caberá então definir qual é a máquina que apresenta os melhores resultados e que pode vir a substituí-la.

Otimização da produtividade e lucratividade
É inegável que o aumento da produtividade e da lucratividade é também decorrência da utilização dos roteiros de fabricação mais econômicos e de melhores prazos.
A indústria de uma maneira geral possui máquinas e equipamentos com características e desempenhos diferentes; é de suma importância que venha a ser realizada a otimização destes recursos, de forma a atender ao que é solicitado pelo mercado, não só em termos de tempo, mas também procurando maximizar sua produção e lucro.

<legendas>
Fig. 1 – Frascos soprados para a indústria de cosméticos
Fig. 2 – Fluxo do processo produtivo
Fig. 3 – Máquinas tecnicamente viáveis para execução de cada uma das operações
Fig. 4 – Todos os possíveis roteiros de fabricação (um total de 72)
Fig. 5 – Definição dos roteiros mais econômicos e de melhores prazos


Pedro Paulo Lanetzki
pedro@netzinformatica.com.br
www.netzinformatica.com.br

.*Engenheiro Industrial de Produção pela FEI; atuação na área de Gerenciamento de projetos em empresas do ramo automobilístico e construção civil;especialista no desenvolvimento de simuladores e soluções diferenciadas para administração do chão de fábrica;Diretor da Netz Soluções Industriais.

   

 

 
Google
 
Pesquise www Pesquise o JORNAL DE PLÁSTICOS
Jornal de Plásticos Online, o site mais completo sobre plástico do Brasil.
E-mail: jorplast@jorplast.com.br