Enviar Matéria por e-mail  mail   Versão para impressãoprint2 aumentar diminui
jp
HomeQuem somosNotas SintéticasAnuncieAssinaturaMercado SintéticoExpoplast Edições Anteriores

   
Dicas para o transformador” – Artigo nº 1
paulo
Pedro Paulo Lanetzki*
Como injetar reduzindo o número de set-ups, o tempo de limpeza de máquinas e a quantidade de material expurgado

A indústria de transformação de plásticos encontra-se em um ambiente ascendente de franca competitividade, recém saída de uma fase relativamente difícil em que, praticamente, todos os segmentos foram afetados.
Percebe-se que os custos dos insumos de produção, sejam eles relativos a máquinas, equipamentos, materiais, ou mesmo à mão-de-obra, não sofrem grande flutuação entre as empresas.

Se o transformador deseja aumentar sua produtividade, bem como sua lucratividade, torna-se necessário estabelecer diferenciais em relação ao que é apresentado pela concorrência. A questão é o que fazer para diferenciar a empresa das outras que existem no mercado.

Problemática
O segmento de injetados para utilidades domésticas tem em sua linha de produtos itens que podem ser fabricados em padrões de cores diferentes, porém, em cuja manufatura é usada uma mesma ferramenta; este é o caso, por exemplo, dos recipientes de dupla alça que se encontram ilustrados na figura 1.

fig01



Realizou-se um estudo em uma empresa da área, ficando constatado que a ausência de um planejamento e programação da produção efetivamente funcional vinha ocasionando uma série de problemas, visto que a carga de máquinas, até então elaborada, redundava em um grande número de set-ups das injetoras, além de um acentuado tempo despendido na limpeza das máquinas, quando das trocas de produto. A figura 3 retrata como se apresenta a carga de máquinas na ausência de critérios mais consistentes em sua elaboração, não sendo obedecida uma otimização do seqüenciamento, quer das ferramentas envolvidas e/ou da grade de cores dos injetados.

fig3

 

Definições
Para que fossem reduzidos os números de trocas de ferramentas, assim como os tempos de limpeza das máquinas, e com isso melhorado o atendimento das datas requeridas pelos clientes, foi desenvolvida uma metodologia de planejamento e programação, objetivando elaborar a carga de máquinas de modo a seqüenciar a execução das ordens de produção, utilizando os recursos disponíveis na empresa de forma a atender às solicitações do mercado.

Metodologia
Consistiu em seqüenciar em uma mesma injetora, na medida do possível, as ordens de produção associadas a uma dada ferramenta, o que permitiu a redução substancial do número de set-ups.

Uma vez seqüenciadas, as operações relativas à ferramenta, suas ordens de produção foram então reordenadas, obedecendo o disposto em uma grade de cores de cada um dos recipientes envolvidos, conforme ilustrado na figura 2.

fig2



Esta passou a iniciar pelas cores de tons mais suaves (claras) e terminar pelos tons mais intensos (escuros), o que permitiu a redução dos tempos de limpeza do canhão da máquina e da quantidade de material expurgado. Com o uso dos conceitos expostos, a carga de máquinas passou a ter a configuração ilustrada na figura 4. Esta otimização do seqüenciamento das ordens de produção pode ser obtida com a utilização de simuladores que já se encontram inseridos em alguns softwares disponíveis no mercado.

fig4


Aumento de produtividade e lucratividade
O aumento da produtividade e lucratividade não é só decorrência da redução do número de set-ups, dos tempos de limpeza das máquinas e da quantidade de material expurgado quando da troca de resinas e/ou cores, mas também da utilização dos roteiros de fabricação identificados como mais econômicos e de melhores prazos, visto que um mesmo produto pode apresentar várias alternativas de fabricação.

A indústria, de uma maneira geral, possui máquinas e equipamentos com características e desempenhos diferentes; é de suma importância o melhor aproveitamento dos recursos existentes, de forma a atender ao que é solicitado pelos clientes em termos de tempo; porém, na medida do possível, com o máximo retorno.

*Engenheiro Industrial de Produção pela FEI; atuação na área de Gerenciamento de projetos em empresas do ramo automobilístico e construção civil;especialista no desenvolvimento de simuladores e soluções diferenciadas para administração do chão de fábrica;Diretor da Netz Soluções Industriais


Pedro Paulo Lanetzki
pedro@netzinformatica.com.br
www.netzinformatica.com.br

.

Matéria Anterior Próxima Matéria
 
Google
 
Pesquise www Pesquise o JORNAL DE PLÁSTICOS
Jornal de Plásticos Online, o site mais completo sobre plástico do Brasil.
E-mail: jorplast@jorplast.com.br